Seguidores

terça-feira, 18 de junho de 2013

SÔ DA ROÇA SIM SINHÔ

                                             Imagem do facebook



Eu so da roça sim sinhô
Pranto feijão, pranto frô
E cuido das minhas galinha,
Dô amô pras cabritinha
Tiro leite das vaquinha
Que é a festa da criançada...


Em nóis nunca deram susto
C’essa tar de gripe A,
Isso é coisa da cidade
Que alimenta a vaidade,
E a farta de vontade
Desse povo ir  trabaiá.

Aqui na roça a molecada
Levanta é de pé no chão,
Corre lá pro chiqueirão
Jogá mio pros porquinho,
Que tão ficano gordinho

Quase na hora de i pro tacho...

                                                  Imagem do facebook


O vizinho de cima e de baxo
Vai gozá dessa fartura,
Vai ganha carne e gordura
Que é o dom de reparti,
Isso nóis tem por aqui
E nunca vai se acabá...


Pruns dia vai tê mistura,
Vai tê carne e verdura
E churiço de merenda,
E se não tivé que ir na venda
acaba alegria do cumpadi,
E se o fumo se acabá...

Já sabe onde vai buscá.
É no vizinho mais perto,
E tamem o lugar mais certo
Do fumo bão encontrá.
O cumpadi conhece bem,
É o tabaqueiro do lugá.

                                               Imagem do facebook







                                                     Minha autoria

A roça é o paraíso!
É o lugá que eu preciso
Pra sê feliz de verdade!
Aqui não se tem mentira,
Aqui não se tem maldade
Aqui se vive de fato...

O tempo é mais cumprido
Dá tempo de se vive!
Pensá em morre por que?
Se tudo é tão bunito,
Não vejo nada esquisito
Como eu vejo na cidade...

Aqui eu respiro fundo!
Dô um giro no meu mundo
Entregue nos pensamento,
O que eu quero é vivê,
Quero da vida esquecê
As tristeza e os tormento...


                                                Imagem do facebook
                                                Imagem do facebook


7 comentários:

  1. Oi, Van, como vai? Quando criança eu preferia o mar à roça...na verdade ainda prefiro, mas hoje sei reconhecer a simplicidade tão bem retratada em seus escritos. Parece mesmo que na roça se vive melhor. Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Querida amiga

    Sempre que dirigimos
    os nossos pensamentos,
    ao que acorda sentimentos bons
    em outras vidas,
    cada palavra escrita
    é uma espécie de oração.

    Que teu coração seja o céu
    onde as palavras possa voar
    buscando a esperança.

    ResponderExcluir
  3. Muito linda esta apologia ao interior.
    Gostei.
    Também sou filha da roça e tenho
    lembranças maravilhosas.
    Obrigada por me ajudar a resgatar
    esta minha história.

    ResponderExcluir
  4. O belo poema é escrito em linguagem nordestina, creio bem. Adoro todo o folclore do nordeste, Adorei o poema.
    Grato pela visita,
    abraços

    ResponderExcluir
  5. Oi, Van! Sei que não faz postagens há algum tempo, mas quero desejar um Natal maravilhoso, com amor, saúde e festejos tranquilos. Que o próximo ano seja ainda melhor que os que viveu até hoje. Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Olá Van.
    Li e reli a sua postagem.
    Me encantou o SÔ DA ROÇA SIM SINHÔ.
    Meus olhos se encheram de lágrimas.
    Lembrei do sitio e da vida onde morávamos em Palotina/PR.
    Nossa que saudade.
    Paz e Luz em seus dias.

    ResponderExcluir
  7. Eu vim deixar um beijo,
    respirar um bom ar e saber
    de você.





    .

    ResponderExcluir

MEU CARINHO À TODOS! OBRIGADA!